ago 24, 2016 - câmara dos deputados    3 Comments

Realidade dura e cruel

Como eu costumo andar muito nas comunidades, por causa do nosso trabalho social, gosto de compartilhar com vocês uma realidade que, talvez, muitos não conheçam. Às vezes a gente quer ajudar as pessoas e a visão de mundo dos outros, geralmente, é muito diferente da nossa. Tem uma entidade que eu ajudo e lá tem cursos de cabeleireiros, construção civil, panificação, enfim, capacitação de mão de obra, oferecidos por um programa do governo estadual. Antes, o governo dava o curso técnico e uma ajuda de custo, mas agora cortou esse dinheiro. Então, muitas das pessoas inscritas abandonaram o curso porque não têm o ‘algo mais’ (ajuda de custo). Tempos atrás, a entidade que eu colaboro criou um projeto de reforço escolar para crianças e, no início, cada família recebia uma cesta básica. Quando não puderam dar mais esse benefício, muitas crianças deixaram de frequentar as aulas. Muito preocupante isso. A gente precisa formar o nosso cidadão pra vida, pra ele não depender unicamente do governo. Acho que a maior humilhação que um cidadão pode passar é depender do poder público. O mundo ideal seria ter empregos abundantes, salários dignos, poder contratar o médico que deseja, ir no hospital que quer, comprar o alimento que gostaria, mas a gente só vai conseguir isso com Educação cidadã, com capacitação, com oportunidade, mas essa não é realidade atual. Infelizmente!

 

Post sugeridos

3 Comentário

  • Gostaria de Verdade Deputada, que os parlamentares estivesse escutando a população, e aqui não quero generalizar, talvez alguns até escute, assim não pode responder por eles, pois não é o que temos visto, a liberdade de escolha orçamentaria para quem nunca ligou para o povo e sim para apenas um setor, muitas das vezes de interesse próprio, pode é criar mais problemas.

  • Cara Deputada,
    Essas pessoas que participaram destes programas estavam querendo assistencialismo, e não um auxílio para conseguirem algo maior – que é não depender da ajuda do Governo ou dos outros para vencerem as dificuldades.
    Ajuda para começar as coisas todos devem ter, sem dúvida.
    Na minha opinião, isso só irá acabar quando o Estado investir na Educação (que não é apenas a de instruir, mas também a de ensinar os deveres e direitos,…). E outra coisa que deveria ser feita é uma discussão entre os parlamentares sobre novas formas de ajudar aqueles que necessitam de ajuda, por tempo determinado, condicionado a qualificação e outras coisas necessárias a formação intelectual e social do cidadão.
    Já existe várias instituições que prestam este tipo de serviço social, como o Lar Fabiano de Cristo do RJ. Este trabalho foi realizado com centenas de famílias que sairam da pobreza extrema, e hoje possuem renda, família estruturada e muitos retornam a instituição para serem voluntários da causa.
    Tenho certeza que políticas sociais só terão êxito quando conseguirem o comprometimento da família, onde há o envolvimento completo de todos os membros. E o Estado, para isso acontecer, deverá executar essas políticas com acolhimento, envolvimento, respeito, entre outras coisas, fazendo tudo com transparência e eficiência.
    Eu tenho certeza que se conseguimos realizar jogos olímpicos com fizemos, também podemos fazer isso com extrema qualidade!

  • As coisas na vida real não são mágicas nem instantâneas, como num filme.
    Sonho que se sonha só, é só um sonho, mas se sonha juntos, vira realidade.
    Deputada, seu sonho somado ao sonho das crianças, vão fazer com que elas tenham uma realidade diferente, bem melhor e de muito futuro.
    Me impressiona muito, sua valentia, sua determinação com a causa social.
    Uma pessoa de espirito superior, que nos ensina muito com seus gestos, todos os dias.
    Tenho trazido esses ensinamentos, para minha vida pessoal, para tentar ser uma pessoa melhor.

Deixe seu comentário!