dez 8, 2015 - câmara dos deputados    3 Comments

O dilema do voto

Às vezes eu fico muito indefinida em algumas questões. Têm projetos que eu voto pela minha consciência. No entanto, têm alguns eleitores, que são de determinados segmentos e têm interesses em algumas causas, que ficam muito chateados por causa do meu voto, como aconteceu recentemente com o reajuste salarial do Judiciário. Isso me dói muito, sabe. Semana passada, por exemplo, teve um veto presidencial interessante, que eu gostaria de compartilhar com vocês. Foi sobre o programa Minha Casa, Minha Vida para policiais. Basicamente era para designar uma cota de moradias populares para os policiais, falando que era para proteger o policial e sua família de suposta ação de traficantes e bandidos. No entanto, na discussão que tive com os minha casatécnicos da Casa foram levantados alguns pontos que considerei muito importantes: primeiro, permitir essa concessão abririam um precedente incontrolável, porque outras categorias também iriam pleitear o mesmo privilégio, tipo por que os policiais sim, e nós não? Isso criaria discriminação, queiram ou não. Segundo, tecnicamente, se um policial já se enquadra nas regras do Minha Casa, Minha Vida já tem direito à moradia, se ele está no perfil de salário do programa já faz parte do grupo beneficiado. Se formos criar regras mais acessíveis para atender à essa classe, amanhã poderíamos estar deixando de atender a uma pessoa com um salário mais baixo e mais necessitada. E por fim, muitos dos conjuntos habitacionais do programa são dentro de comunidades, então, alegar que os policiais estariam mais protegidos não me pareceu uma justificativa razoável. Assim, analisando todos os argumentos, conclui que não era motivo de dar esse benefício, mas muitos amigos policiais, que votaram em mim, ficaram chateados. Às vezes eu paro e penso: o que eu faço? Será que é melhor ir contra o que eu penso e votar pelas pessoas que me deram esse voto confiança? Eu vivo esse dilema aqui.

 

Post sugeridos

3 Comentário

  • Votou de maneira certa, baseie-se sempre em pontos técnicos que beneficiem o coletivo. Talvez não consiga uma reeleição, mas honestamente para que ? Tem uma vida aqui fora esperando por você, e tantas outras coisas que pode fazer pela sociedade sem necessariamente ser uma politica.

  • Representação é isso mesmo vocês deputados tem acesso a técnicos, estáticas e especialista, debatem entre si com a sociedade com sindicatos com empresários então cabe a você decidirem sobre cada lei se ela é justa se é boa para o Brasil para sua região para seus eleitores.

    Se fosse para votar o que os eleitores querem seriamos uma democracia liquida em que cada pessoa tem direito a votar cada lei.

  • Acho que você votou certo. É normal um certo corporativismo, e de certa forma, até saudável que exista. Mas concordo, neste caso não pode ser beneficiada uma categoria em detrimento de outros necessitados.

Deixe seu comentário!