set 26, 2015 - câmara dos deputados    6 Comments

Direitos Autorais e Ecad

Muito feliz! Foi instalada a Comissão Especial dos Direitos Autorais, que vai analisar o projeto de lei 3968/97, que isenta os órgãos públicos e as entidades filantrópicas do pagamento de direitos autorais pelo uso de obras musicais e lítero-musicais em eventos por eles promovidos. Eu fui eleita a relatora. Há 40 propostas apensadas a este projeto e estou superfeliz por relatar o projeto de lei que regulamentará a questão do Ecad (Escritório Central de Arrecadação e Distribuição), elaborando o relatório que instituirá critérios mais objetivos para o recolhimento dos direitos autorais.

IMG_7785

Fui escolhida para ser a relatora desta Comissão Especial

Post sugeridos

6 Comentário

  • O rigor quanto a isso é tanto e, acontece em vários países, que não será nenhuma novidades, se proibirem um turista que estando em viagens, de fazerem fotos dos lugares e dos países que está visitando.
    Quem fizer as fotos, não poderá publica-las, sob pena de cair na lei dos direitos autorais.
    As fotos dos lugares visitados, vai ser só com os olhos, nada de tecnologia.

  • Frase do dia

    “Ser feliz é encontrar força no perdão, esperanças nas batalhas, segurança no palco do medo, amor nos desencontros.
    É agradecer a Deus a cada minuto pelo milagre da vida.”
    Fernando Pessoa

  • “Paris retira carros das ruas por um dia”, porque não fazemos o mesmo aqui no Brasil, pelo menos um dia na semana, deveriam ser proibidos carros de passeios trafegarem pelos centros das grandes cidades, capitais.
    Seria um projeto interessante esse, se passasse na câmara federal.
    Seria ótimo nesse tal dia da semana, as pessoas irem aos centros das grandes cidades, capitais, “para verem gente”, ao invés de verem carros.
    Poderia ser chamado esse tal dia da semana sem carros nos centros das cidades; Um dia para gente!

  • Mas qual o motivo para isentar o pagamento dos direitos aos autores das obras?

  • Depois que passei a escrever crônicas em um jornal, percebi que fiquei mais dedicado, passei entender melhor a personalidade de cada um e, percebi o valor da comunicação na vida.
    Parece que caiu uma barreira que me impedia de chegar na cabeça e nos corações das pessoas.
    Por isso entendo que a “informação não é nossa”, deve ser multiplicada entre as pessoas e de graça.

  • Meu saudoso pai me falava; arruma uma profissão e seja amigo dela.
    Realmente quando gostamos do que fazemos, as coisas ficam mais fáceis e a felicidade é consequência.
    Para termos sucesso na carreira que escolhemos, temos que ter motivação, sempre.
    Identificar as emoções dos outros e saber administrar a nossa e de quem está na mesa de uma reunião, é fundamental.

Deixe seu comentário!