Tagged with " bastidores"

Coração em pedaços

Última semana de trabalho em Brasília neste ano. Vim para cá e não foi fácil deixar em SP meu filho caçula, o Rafinha. Ele foi me levar no aeroporto, estava super carente de mãe. Choramigando, dizia que queria ir comigo “na Brasília”. Tão bonitinho, como foi difícil tirá-lo de meus braços. Jamais vou me acostumar com esses momentos de separação, fico com o coração em pedaços.

Bafafá pesado no avião

Na viagem para Brasília, a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) estava no mesmo avião. Imaginem o que aconteceu? Assim que pousamos, uma passageira veio na direção dela e passou a hostilizá-la. A mulher xingou a senadora, gritou que todos os políticos são ladrões, ficou falando um monte. A senadora pediu para a tripulação chamar a Polícia Federal e, enquanto os agentes da PF não chegavam, ninguém pôde desembarcar, piorando ainda mais o clima dentro do avião. E eu lá, no meu canto, bem quietinha. Nem me manifestei, tenho a consciência limpa, não tenho processos, não estou envolvida em nenhum escândalo, mas é triste quando a população generaliza, porque desmotiva aqueles que querem fazer o bem. Acho até que a melhor forma de a população se manifestar é nas urnas. Essa mesma pessoa que critica depois vota nulo. Não adianta nada isso. Eu sempre reitero que o melhor jeito de tirar os corruptos do poder é participando, não se omitindo.

 

 

 

Xuxa senadora?!?!?!

Os bastidores do Congresso são um prato cheio de notícias. Recentemente, um deputado chegou todo animado para um grupo de parlamentares e falou: “Vamos lançar pelo nosso partido a Xuxa como candidata ao Senado? Ela ganha fácil!”. Aí, todos os demais passaram a falar, com zombaria, “claro que ganha, claro que ganha”. O pior é que esse deputado falou sério mesmo, estava todo empolgado com a candidatura da Xuxa. Eu fiquei pensando, pô, para onde estamos caminhando, Luciano Huck presidente, Xuxa senadora… Vai ser difícil sair da crise com esse Brasil reality show!

Câmara perde protagonismo

O que tem me irritado recentemente na Câmara dos Deputados é que só estamos votando MP (Medida Provisória), coisas do governo. O Legislativo perdeu o protagonismo que testemunhei no início desta legislatura. Isso me entristece. Nos últimos tempos, a pauta do plenário só tem projeto do Executivo, os deputados e suas propostas não têm sido prestigiados, e olha que tem coisa boa para entrar em votação, mas isso não vem acontecendo há várias semanas. Isso é muito ruim, um desprestígio aos parlamentares.

Reconhecimento popular

Gente, apesar do coração de mãe apertado de saudade, tem sido gratificante viajar com o senador Alvaro Dias, e as pessoas nos abordarem para dar parabéns pelo partido e pela escolha dele como pré-candidato do Podemos à Presidência da República. Isso me dá muito entusiasmo e esperança para continuar lutando. Nesse momento de tanta descrença política, essas abordagens dos cidadãos, que se aproximam para parabenizar o senador, me parabenizar e parabenizar o nosso projeto, são maravilhosas e incentivadoras!

O nosso desafio é fazer com que maior número de brasileiros saiba que Alvaro Dias é candidato à Presidência da República. No Paraná, na terra dele, vira e mexe espalham notícias que Alvaro é candidato a governador. Que raiva! A gente percorrendo o Brasil e ficam tentando desvirtuar a nosso projeto de candidatura majoritária. Pouca gente sabe, mas o sistema é desenhado para manter quem está no poder. Um partido grande, como o PSDB por exemplo, tem lá seus 14 minutos de tempo de TV, enquanto o Podemos tem apenas 2 minutos. Não tenho dúvida que nós temos o melhor nome para presidente, um cara limpo, com experiência, mas o sistema é desenhado para manter os mesmos, uma tremenda desigualdade. Inclusive, vou entrar com uma ação questionando essa distribuição de tempo. Isso é o maior abuso de poder econômico que já se viu.

Chorei de saudade

Como vocês sabem, eu, como presidente nacional do Podemos, tenho rodado o Brasil em dias e horários que não têm atividades no Congresso. Mal desembarquei de Brasília, nem pude ir ver meus filhos, entrei num carro e encarei quase 3 horas de congestionamento para cumprir uma agenda na cidade de Poá, Região Metropolitana de São Paulo. Retornei para casa de madrugada, as crianças, obviamente dormindo, e sai de novo, ‘às 5h de la matina’, para levantar voo rumo a São José do Rio Preto. Outra vez, o regresso foi tarde da noite, filhotes em sono profundo, e antes do sol raiar estava outra vez no aeroporto, para viagem ao Espírito Santo. No avião, chorei de tristeza, porque a última vez que havia visto meus filhos acordados foi na segunda-feira (4). Só voltei de Vitória na noite de sábado e ontem (domingo), enfim, conseguir ter em meus braços e beijar muito meus dois pequenos. Não é fácil ficar longe dos meus meninos. Dói muito!

Bolo em dose tripla

Foi uma semana de Parabéns a Você, com os aniversários de minha irmã Christiane, do meu pai José de Abreu e do senador Alvaro Dias. Cansei de comer bolo. Assim, não há corpitcho que aguenta. Agora, trancar a boca para compensar a comilança festiva (kkkk)

Açaí diet

Uma tigela de açaí  tem em média 200 calorias, se acrescentar açúcar e banana bate na casa de 700 calorias. E se colocar granola, salta para 1.000 calorias. Ufa, ainda bem que no Pará, onde estive para um Encontro do Podemos com meu deputado federal Chapadinha, eles substituem a granola por farinha de tapioca. Comi sem peso na consciência (kkkkk)

 

Preciso de um clone

Mal chego a Brasília e há tantas coisas para resolver que não consigo entender como dou conta de tudo. Gostaria de ter um clone, duas Renatas, talvez, conseguiriam fazer tudo que tenho para deliberar aqui na Câmara. (rs)

Intensivão gera economia

Saiu na mídia que o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, autorizou os deputados a esticarem o feriado da Proclamação da República. Mas não foi nada disso, gente. O que houve, de fato, foi que ele antecipou as sessões, ou seja, puxou os trabalhos em plenário, geralmente de terça a quinta, para segunda a sexta-feira passada. Isso para economizar custos. Cada ida-volta de estado de origem-Brasília-estado de origem é um custo e tanto nos cofres públicos. Eu sempre defendi que se fizesse um intensivão de trabalhos sempre que houvesse um feriado no meio da semana. A antecipação custa menos aos cofres públicos, são duas passagens aéreas de deslocamento, uma para ir e outra pra voltar de Brasília. Sem intensivão, são quatro, ida e volta antes do feriado e ida e volta depois do feriado. Mas como vivemos em tempos de fake news, divulgam que estamos enforcando trabalho, como se a gente ficasse parada quando não têm atividades no Congresso. Trabalha-se muito mais, porque se aproveita esse tempo para conversar com os eleitores, com lideranças locais e estaduais, a gente não para um minuto, cumprindo as agendas políticas e sociais do mandato. E semana que vem voltamos com tudo no Congresso, porque tem muita coisa em pauta!

 

Páginas:«1234567...42»