Tagged with " bastidores"

Não indiquei ninguém

Dias atrás, um jornalista divulgou que eu havia indicado uma pessoa para a Funasa (Fundação Nacional da Saúde) que escreveu em seu currículo ‘proficional’. Era uma nota tirando o sarro por ter indicado alguém que não sabia escrever. Fiquei possessa. Não indiquei ninguém!!! Como poderia indicar alguém se voto contra o governo? Mandei notificar o jornalista extrajudicialmente. Fiquei muito revoltada, não engulo sapo nem abaixo a cabeça. Tem de aprender a respeitar, jornalista precisa ter compromisso com a verdade, quero ver provar que eu indiquei alguém.

 

Mídia adora alfinetar

Uma semana tranquila. Por causa do feriado de amanhã, Dia da Padroeira do Brasil, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, tentou antecipar a sessão para segunda-feira, mas não deu quórum. Com o fim dos embates e votações da Reforma Política, eu já sou outra pessoa.  Semana passada, estava bem acelerada, por causa da agenda partidária carregada, com viagens para o Piauí e Mato Grosso (como falei para vocês aqui), além dos dias intensos e tensos da Reforma Política. A mídia até divulgou uma nota, extraída aqui do blog, sobre o Eduardo Cunha, dizendo que eu estava com saudade dele. Dei risada ao ler o teor da nota. Não que eu compactue o que Cunha fez como político, mas, como presidente da Casa, sua liderança era inquestionável. Eu critiquei muito a Reforma Política por causa da ausência de um líder na condução e direcionamento dos trabalhos. De fato, a gente passou muita agonia pela falta dessa liderança, basicamente tudo foi votado no último dia do prazo para que as mudanças fossem implementadas na próxima eleição. Inadmissível isso, tanto tempo para se fazer a Reforma e se vota ao apagar das luzes. Me deu muita raiva, não tinha comando, não tinha liderança, o pessoal não sentava para alinhar um acordo. A maioria das reuniões fui eu quem chamei, quem organizou, enfim, isso me tirou do sério. Falei mesmo, várias vezes até, que na época do Cunha isso não era assim. Obviamente, falar que o cara era um bom líder não significa compactuar de suas ações e atitudes, que fique bem claro isso mais uma vez, mas não dá para deixar de lembrá-lo como liderança da Casa. É bom fazer essa ressalva porque tem jornalista que adora me alfinetar e divulgar informação incompleta.

 

 

Como se fazem as leis

O interessante na Câmara é que as pessoas não têm ideia de como os artigos são escritos. Geralmente, tem meia dúzia que decide tudo. Para aprovar um projeto de lei, sempre tem um parágrafo ou algo que atende a um partido para dar acordo. Por exemplo, nesta última Reforma Política diminuíram o número de deputados que um partido precisaria ter para participar dos debates, caiu de 9 para 5, isso para atender o Psol e a Rede, para que eles não obstruíssem as votações.  Depois que a lei está escrita, fico dando risada ao ler o texto final porque sei exatamente o porquê de cada artigo e de quem foi o acordo. Antes de ser deputada, e talvez a população ache isso também, eu imaginava que cada artigo era super bem pensado, calculadas as suas consequências, tinha uma razão lógica, mas hoje vejo como as leis são mal feitas.  Por isso o Judiciário é tão atuante.

Derrotado pelo cansaço

O nosso senador José Medeiros (MT) não aguentou a maratona de semana tão agitada no Congresso, com as votações finais da Reforma Política e outras pautas polêmicas no Senado, fora todos os preparativos dele, como anfitrião, para o lançamento do Podemos em Mato Grosso. Foi justamente em Cuiabá que ele pestanejou enquanto aguardávamos para conceder entrevista ao Repórter MT. Foram apenas alguns segundinhos de cochilo. Nem quem é de ferro aguenta jornada tão estafante! E foi mesmo uma semana bem cansativa. No domingo, eu estive no Piauí, lançando o Podemos em Teresina, na segunda-feira já estava em Brasília e quinta-feira à noite desembarquei em Cuiabá, para o lançamento do partido no Mato Grosso. Cheguei sexta-feira à noite em São Paulo, louca para ver meus dois filhos, mas antes ainda tive agenda na Zona Norte. E, por causa do temporal e do costumeiro trânsito da Capital, peguei engarrafamento monstro. Afe, que cansaço!

Saindo do armário

Depois da reunião de líderes com o Rodrigo Maia, tinha um grupo do LGBT, inclusive o Podemos Diversidade estava presente, que havia marcado uma reunião com a presidência da Casa para falar das pautas importantes para a causa. E eu fiquei para acompanhar. Um representante desse grupo começou a citar os partidos que apoiavam o movimento. O deputado Silvio Costa, que também estava lá, interrompeu a fala: “Pode colocar o Avante também nesta lista como apoiador”, disse com seu sotaque arretado e característico nordestino. O Rodrigo Maia relatou grupo das dificuldades das causas LGBT porque a bancada evangélica é muito organizada, e que o movimento deveria falar com os deputados para que não fizessem obstrução às propostas de diversidade. Foi quando o Lúcio Vieira Lima se manifestou: “Agora que o Silvio Costa saiu do armário, não vai mais ter crise, vai votar tudo”. Todos os presentes caíram na gargalhada, inclusive o Silvio Costa, que arrematou: “Vocês têm é que fazer o Jair Bolsonaro sair do armário também. Esse cara, com certeza, é enrustido!”. E a gargalhada explodiu novamente na sala de líderes.

Dama de vermelho

Às vezes, eu fico sozinha tentando construir um acordo, assumindo o papel de chata nessa Reforma Política de tanto que abordei os líderes. Na quarta-feira, acho que percorri uma maratona em plenário, falando aqui, argumentando acolá, debatendo diretamente com a mesa diretora. Usando um vestido vermelho, foi fácil me localizar no recinto. Me movimentei tanto que um deputado chegou a dizer: “A Renata já causa reboliço normalmente, imagina hoje que virou a Dama de Vermelho, ninguém segura ela neste plenário. kkkkkkk.

Medo da janela de transferência

Na PEC 282, passou um texto que ninguém percebeu. Eu mesma só vi isso depois, mas não tinha mais destaques a ressalvar, não dava para fazer mais nada, regimentalmente falando. Trata-se de um artigo que regulamenta as causas de fidelidade partidária e as que permitem a saída da legenda sem perder o mandato. Nós temos uma janela de transferência, que ocorre seis meses antes de cada eleição. Pois bem, esse texto da PEC, que passou sem ninguém se tocar, quer restringir as causas para a mudança de partidosem perder o mandato, a ponto de acabar com todas as janelas de transferência possíveis, inclusive a que está em vigor atualmente. Na reunião de lideres, PSD e PP defenderam que tivesse apenas uma única janela com portabilidade (quem muda de partido leva fundo e tempo de TV). Só que o PSDB não quer, porque entende que o cenário não está bom para ele e pode perder muitos parlamentares. Nessa reunião o Baleia Rossi, líder do PMDB, partido do presidente da República, manifestou-se contra a janela de transferência. Agora, cá entre nós, se o partido do presidente da República está com medo da janela com portabilidade, tendo na mão a caneta da máquina governamental, então eu sou kamikaze geral. Kkkkkk

O nosso partido não tem nada para oferecer, a não ser um programa consistente que a gente desenhou, uma pesquisa e um sonho de um projeto que se difere dos demais. É isso! Os deputados que vieram para o Podemos não têm cargo, não têm ministério, não têm dinheiro, não têm nada, eles vieram por causa da nossa união, a maioria de primeiro mandato, por gostarem da gente e de como trabalhamos. Somos o partido que mais cresceu no Congresso. Elegemos quatro deputados, perdemos dois na janela e hoje somos 18 deputados federais e três senadores. Meu trabalho é corpo a corpo, é de convencimento, é mostrar para o deputado que ele precisa estar num projeto limpo, transparente, de participação popular e democracia direta no mais amplo sentido da palavra democracia. Tenho conseguido com trabalho atrair mais e mais filiados, não com negociação escusas ou barganhas. Agora, é surpreendente ver um partido que está na Presidência da República temer a janela de transferência. Inconsistência total!

Mais agitação

Hoje o dia também já começou agitado no Congresso. Agentes da Polícia Federal estiveram cumprindo mandados de busca e apreensão no apartamento do ministro da Agricultura, Blairo Maggi, e no gabinete do deputado federal Ezequiel Fonseca (PP-MT). O sexto andar do anexo 4 da Câmara ficou interditado, tumultuando o ingresso dos funcionários.

 

Gás+pimenta+tosse

Ontem, quando anunciaram para votar em plenário, sai correndo da reunião para ir votar. O Marcelinho Carioca correu comigo. No meio do corredor fomos envolvidos por gás de pimenta, jogado pela polícia legislativa para conter manifestantes da Casa da Moeda que invadiram o prédio. O Marcelinho passou mal e precisamos levá-lo à sala da liderança do PTB para que se acalmasse. Eu, aliás, já estou acostumada a inalar esse gás por aqui (rs). Vou falar até para os médicos pesquisarem seu efeito, porque eu estava com uma tosse insuportável e, ao inalar o gás de pimenta, o desconforto melhorou. Deve ter alguma relação gás+pimenta+tosse (hahahaha).

Sebo nas canelas!

Aqui na Câmara dos Deputados é assim: são tantos compromissos ao mesmo tempo que não dá para esperar no trânsito. O negócio é sair do carro e correr em direção ao plenário da Casa, onde a discussão da Reforma Política continua pegando fogo.

Páginas:1234567...39»