Sentimento de Mega-Sena

Esta semana está sendo bem tensa. Às vezes me sinto como apostadora da Mega-Sena. Toda vez que você olha aquele painel de votação, você vota e fica esperando os votos, sabe? Para aprovar uma PEC (Proposta de Emenda Constitucional) precisa de 308 votos do total de 513, então, é muito difícil, muito apertado. O Congresso está muito dividido. Cada um aqui tem sua própria Reforma Política, não tem consenso em nada. Como eu vinha falando, era nítida essa situação, porque cada um tem suas convicções. É muito difícil aprovar alguma coisa aqui. Então, é um sentimento de Mega-Sena único, com aquela expectativa, na maioria das vezes frustrante, de acertar os seis números, cuja probabilidade com aposta mínima é uma em 50 milhões.

Sistema eleitoral

Tivemos a votação do sistema eleitoral, e nada passou. O que tinha mais chances era o distritão, mas foram muitas ameaças, muito mal-estar por causa dessa Reforma, da forma como estava sendo conduzida. Acho que se perderam muitos votos e nada foi aprovado. Votamos lista fechada, distrital misto e distritão. Como nenhum desses tópicos recebeu os 308 votos, permanece o sistema atual, ou seja, o proporcional de lista aberta (pode-se votar no candidato ou na legenda). Palavras do presidente da Casa: “Os políticos defendem, defendem, defendem reforma política e na hora de fazer dão para trás. Agora, pelo menos ninguém aqui vai ficar com hipocrisia que quer fazer reforma política”.

Financiamento de campanha

Também votamos o financiamento de campanha. Eu sou contra o financiamento privado de pessoas jurídicas, por isso fui muito pressionada, ameaçada, mas mantive minha convicção. É importante lembrar que a proposta foi derrotada na terça-feira, mas depois teve uma manobra regimental colocando na quarta-feira um texto semelhante em votação. Foi um agito só, com muitos deputados reclamando, xingando, foi complicado. O Chico Alencar até ergueu um cartaz, onde estava escrito “Empresa não doa, investe!”. Ai, como muitos colegas sabiam que eu tinha votado contra, um deles veio reclamar comigo: “Como assim, que absurdo. Você não recebeu doação de pessoa jurídica”? Sim, hoje é permitido, falei para ele, emendando: “Você gostaria de ser casado com duas mulheres? Sim? Então, por que não casa? Ah, não é permitido, né? E se fosse”? É a mesma coisa! Proibindo, geraria igualdade econômica para todos. Como hoje não tem, todo mundo sai em busca de financiamento privado, de financiamento de pessoa jurídica, mas, para mim e para a sociedade, não é o ideal. Se fosse proibido para todo mundo, todo mundo teria de se adequar à regra, o que tornaria a eleição um pouquinho mais igualitária, com o poder econômico influenciando menos. Votei duas vezes contra. Até dentro do meu bloco, eu fui uma das que votaram contra esse tipo de financiamento. A gente tem de ter coerência. É uma questão minha, não cedi às pressões e acredito ter me prejudicado muito por isso. Acho que minha fama de teimosa e persistente aumentou ainda mais.

Fim da reeleição

Terminamos a noite de quarta-feira votando um item extremamente importante para o nosso País: o fim da reeleição nos Executivos. Foram 452 votos favoráveis. Foi muito bom! Eu, pessoalmente, gostaria que fosse dado mais um passo, que era uma única reeleição nos legislativos, mas isso jamais passaria. Ninguém dá crédito quando falo sobre o assunto, então, só uma constituinte exclusiva para brigar por isso, porque aqui dentro… impossível!

maio 28, 2015 - câmara dos deputados    2 Comentário

Só confio na minha mãe

Eu fiquei muito brava. A gente chegou num consenso que era melhor votar num sistema eleitoral para evitar que se convergisse para o fim das coligações, que nosso grupo considera muito ruim. Como eu estava muito convicta do que estava defendendo, e isso é uma característica minha, um deputado, que tinha uma conversa para se compor de outra forma, passou a falar com cada um do grupo, desarticulando a nossa composição. Ele chegou a dizer para alguns colegas que, com certeza, eu estava recebendo benefícios para lutar daquela forma. Fiquei p… da vida e fui com os dois pés no peito dele, tirando satisfação, porque mulher não engole sapo, é fogo! Não se fala um negócio desses. O problema é que sou muita convicta, brigo mesmo pelas coisas que eu acredito. No final, conversando com um amigo, no final da sessão, ele falou: “Renatinha, eu só confio na minha mãe, isso se o assunto não for a minha irmã”. Sensacional!

Excesso de iguais

Fui apresentar um projeto de lei e já tinha um outro igual. Simplesmente, tirei o pé do freio e pensei em ajudar esse outro, já protocolado, a ser aprovado. Ai, alguns colegas disseram que não é assim que funcionam as coisas, que eu deveria protocolar o meu, mesmo tendo outro idêntico, para também ficar com os créditos. Nossa, não faz sentido isso, só entope a Casa de projetos de lei iguais. Eu peguei a relatoria de um projeto de lei e, juro pra vocês, devem ter de oito a dez projetos de lei apensados (anexados) a este. São todos idênticos, sem tirar nem pôr. A pessoa quando vai apresentar um projeto vê que já tem um igual, então, por que apresenta? O certo seria todo mundo se unir para aprovar os que já estão lá. Aliás, deveria ser permitida a coautoria. Se eu quero ser coautora daquele projeto, bastaria me inscrever para isso. Pelo menos evitaríamos o excesso de projetos iguais que só servem para amanhã ficar levantando bandeiras do tipo ‘fui eu que fiz’.  Com a coautoria, desafogaria a Casa para que os (projetos) que já estão lá caminhem. Concordam?

Teoria é diferente de prática

Estava lendo o Funcionamento do Processo Legislativo na Câmara dos Deputados. Na teoria, a ordem é apresentação do projeto, elaboração, designação das comissões, a análise pelas comissões temáticas ou permanentes, plenário e tal. Agora vou contar como funciona na prática. É mais ou menos assim: você apresenta o projeto de lei, a mesa designa as comissões e se ele vai ser aprovado de forma conclusiva ou no plenário. Definido esse caminho, você pede para um amigo para que ele solicite assumir a relatoria. O passo seguinte é falar com o presidente da comissão para que designe o relator. Se você conseguir isso, ou seja, que seja designado o seu relator, pois bem, ele irá apresentar o relatório sobre seu projeto. Acabou? Não, agora você precisa articular com o presidente da comissão onde seu projeto está tramitando para que o inclua na pauta. Incluído na pauta, você precisa articular com os membros da comissão os votos favoráveis ao seu projeto. Se for aprovado, seu projeto vai para outra comissão. E você tem de fazer tudo de novo. Se for votação conclusiva, ótimo, acabaram todas as articulações, mas, se for votação em plenário, você tem de articular com o presidente da Casa para que o inclua na pauta do plenário. Feito isso, nova articulação, para conseguir os votos da maioria dos 513 deputados para aprovar o projeto. Acabou? Ainda não, pois o projeto aprovado vai para o Senado… e começa tudo de novo. Ou seja, aprovar um projeto de lei é algo muito trabalhoso, tem que estar muito focado nele e se dedicar muito em todas as etapas do processo. Portanto, é muito importante acompanhar para ver se, realmente, os deputados apresentam projetos simplesmente por apresentar ou se eles estão articulando para que sejam efetivamente aprovados.

Fim de semana, cadê você?

E quem pensa que deputado tem final de semana, muito se engana. Mais um sábado e domingo intensos de atividades, com várias reuniões com pré-candidatos, evento beneficente, junto com o vereador paulistano Claudinho, depois fui para Osasco para mais uma reunião com pré-candidatos do PTN, cheguei em casa me arrastando de tão cansada que estava e ainda teve festa de família, aniversário da minha tia de 60 anos. Não sobrou nenhum tempinho pra descansar. Nem vi o fim de semana passar. Tô morta! E a semana promete forte emoções, com a votação da Reforma Política.

Reunião em Osasco com os pré-candidatos do PTN às eleições municipais de 2016

Reunião em Osasco com pré-candidatos do PTN às eleições municipais de 2016

Não dá pra entender

Seria cômico se não fosse trágico. Um parlamentar pegou o texto de uma Medida Provisória e, ao ler uma das emendas, exclamou: “Nossa, quem lê isso aqui não entende nada”! E um outro respondeu: “Mas esse é o intuito”.

maio 22, 2015 - câmara dos deputados    2 Comentário

Direito de jantar

Por causa da Reforma Política, a Câmara está bastante movimentada, com muitas reuniões, muita coisa acontecendo ao mesmo tempo. Quarta-feira, a gente estava na reunião de líderes e vou falar uma coisa para vocês: o presidente Eduardo Cunha não dá trégua, ele coloca todo mundo para trabalhar ininterruptamente, sem intervalinho sequer.  Então, como eu ia dizendo, na reunião de líderes, Eduardo Cunha falava a todos nós que na “semana que vem vamos votar a Reforma Política, nem que fiquemos as madrugadas trabalhando, nada de obstruir, nada de deixar para depois, que é para terminar tudo na semana que vem mesmo”, quando foi interrompido pelo líder do governo, José Guimarães: “Presidente, faz não sei quantas semanas que eu não almoço e nem janto. A gente tem que ter pelo menos o direito de jantar”. Foi, realmente, muito engraçado ver o líder do governo pedindo pelo amor de Deus para poder jantar, mas está valendo a pena o jejum forçado, porque estamos num momento muito importante, que é a Reforma Política. Estamos todos muito empenhados em dar o nosso melhor para definir os novos rumos do cenário político.

Páginas:«1...58596061626364...72»