nov 15, 2016 - câmara dos deputados    1 Comment

Meu entusiasmo assustou

fazer-emoticons-para-mensagensEu estava numa de deputados falando sobre a eleição presidencial nos Estados Unidos. Um deles dizia que a votação americana demora porque em cada estado o povo vota para presidente e em outras questões pertinentes a suas regiões. E nesta eleição uma das causas em votação era a legalização das drogas. “Putz, excelente ideia!”, eu disse e, de imediato, todos me olharam com cara de espanto. Ninguém entendeu meu entusiasmo, certamente concluindo que eu achava uma boa ideia a legalização das drogas. Diante do susto deles, rapidamente expliquei a minha colocação. Me referia a incluirmos plebiscitos nos pleitos eleitorais no Brasil. Então, sempre que houvesse eleição, poderíamos também ter esse momento de cidadania, em que o povo pudesse exercer a sua participação e opinar sobre outros temas importantes para o país. Inclusive, essa é uma das propostas oficiais do nosso partido, que está se reposicionando, mas, é bom deixar bem claro, que não vamos defender a legalização das drogas, pelo contrário, defenderemos justamente o plebiscito, para que a população decida todas essas questões polêmicas.

 

Post sugeridos

1 Comentário

  • Deputada, se eu puder dar uma sugestão. Eu já trabalhei como mesário em 3 eleições e no plebiscito das armas. Na eleição pra presidente era uma confusão danada com alguns eleitores, que não entendiam que tinha que votar 5 vezes. Eles votavam pra duas, três pessoas e saíam da urna. Ou pediam nossa ajuda e não podíamos ajudar. Não era a maioria, mas era suficiente pra gerar grandes filas.
    Minha sugestão é:
    – se incluir, inclua na votação pra prefeito/vereador, que são só dois votos.
    – Ou deixe o plebiscito como facultativo.

    Mas concordo com você que a ideia de incluir plebiscito de assuntos polêmicos nas eleições é muito boa! Já temos toda uma estrutura com fiscais, mesários, urnas, escolas. O aumento de gastos é baixo e o benefício é alto.

Deixe seu comentário!