Archive from Janeiro, 2017

A disputa por espaço

mesa diretoraAté ontem havia apenas Rodrigo Maia e Jovair Arantes oficializados como candidatos à presidência da Câmara dos Deputados. Agora, a disputa conta com Rogério Rosso – que semana passada havia anunciado sua desistência, mas que retorna para tentar forçar o segundo turno -, Júlio Delgado e outros (o registro de candidaturas à presidência pode ser feito até as 23h de amanhã-feira). A votação começa quinta-feira, a partir das 9h. É secreta e só pode ser iniciada se houver quórum de 257 deputados em plenário (metade mais um do total de 513 parlamentares). Cada deputado se dirige à cabine e vota, de uma vez, nos 11 cargos em disputa: presidente, dois vice-presidentes, quatro secretários e quatro suplentes (clique aqui https://goo.gl/aMORRF para saber a função de cada um). Só para vocês terem uma ideia, o tamanho dos blocos, ou seja, a união dos partidos, é que vai garantir 10 das 11 vagas na mesa diretora. Deixa eu explicar melhor: o presidente da Câmara pode ser de qualquer partido, mas os demais cargos são definidos em reunião de líderes, que acontece amanhã, quando são formados os blocos parlamentares, que, por sua vez, definem os cargos a que têm direito. Assim, o bloco maior pode ficar com a 1ª vice-presidência e a 1ª e 2ª secretaria, por exemplo.

Enfim, uma disputa por espaço, que eu, sinceramente, até hoje não sei pra quê. Eu fujo disso porque suponhamos que pegue a 1ª secretária, as atribuições são praticamente semelhantes às de uma prefeitura. Um trabalho gigantesco. Eu, que ocupo a presidência de um partido, mais o cargo de deputada federal e dou assistência à base eleitoral, não daria conta de desempenhar com esmero o que esse cargo na mesa diretora exige. Quero, isso sim, fazer tramitar minhas coisas, meus projetos, não pegar mais espaço. Muitos brigam por mais espaço, devem ter lá suas razões, mas eu, perfeccionista nata e que me dedico muito para fazer o meu melhor, sou contra ocupar por ocupar.

Nuvens carregadas

nuvensEstamos de volta à Brasília, já agitada por causa da eleição que vai definir a presidência e mais 10 cargos da mesa diretora da Câmara, que acontece na quinta-feira. E como sempre relato neste espaço, o blefe e o diz-que-me-diz dominam o ambiente. Como o voto é secreto, você vê muita gente prometendo votar em A, fechado com B e lado a lado com C. Chega a ser hilário para não dizer deprimente. Você ouve de um concorrente que o partido fechou com ele, mas ao se encontrar com o líder da bancada, tal fato é desmentido. Os candidatos sabem desse jogo de bastidores e também jogam, tanto é que abordam os demais deputados com o seguinte discurso: “Independentemente de seu partido estar fechado com Fulano, vote em mim”. Aqui costuma-se dizer que o mundo político é uma nuvem, a cada vez que você olha o cenário, ele tem uma aparência diferente. E diante disso, fica difícil afirmar se, com esse céu político de nuvens carregadas, teremos sol ou chuva com trovoadas na votação de depois de amanhã.

Pés não aguentaram

Ontem, fizemos a gravação do programa partidário para TV, com a participação de nossos vereadores e prefeitos. Assim como ocorreu na Câmara Federal, tornando-se o partido que mais cresceu na atual legislatura – hoje somos 13 deputados em atividade e 1 licenciado, por ocupar uma secretária na Prefeitura do Rio de Janeiro -, também tivemos o maior crescimento proporcional no número de prefeituras: 131%, de 13 eleitos em 2012 para 31 em 2016, fora os mais de 90 vereadores eleitos só em São Paulo. A produção do vídeo ficou bem legal, mas quem pensa que gravar é fácil, nossa, são horas e horas sob a luz forte dos holofotes. É iluminação que muda, é texto que muda, é o tempo que estoura e tem de fazer de novo. Gente, dói tudo, pés, ombros, coluna. Teve um momento que não aguentei: sentei num banquinho e tirei os sapatos, meus pés agradeceram. Vou falar uma coisa: eu não seria atriz, jamais mesmo!

renata podemos programa tv

Download sofrível

Nesta semana estive no gabinete do Ministério de Ciência e Tecnologia, pra ver um projeto que pretendo levar para algumas cidades, o smart cities, ou cidades inteligentes, que se define pelo uso da tecnologia para melhorar a infraestrutura urbana e tornar os centros urbanos mais eficientes e melhores de se viver. Apesar de a Câmara ainda estar em recesso, a gente não interrompe o trabalho, até porque há muitos projetos a serem desenvolvidos, tem muita articulação a fazer, tem a eleição da presidência da Câmara, tanto que fui a Brasília ouvir o Rodrigo Maia e o Jovair Arantes (que são candidatos) e ver qual será o nosso caminho partidário nesta questão. Mas, voltando ao internet lentaministério, ocorreu uma situação que não consegui segurar o riso. O secretário foi me mostrar um vídeo sobre smart cities no YouTube, mas a internet não colaborou, a ponto de ele reclamar da lentidão do dowload: “Nossa, a internet daqui é horrível, lenta demais”. Se no Ministério de Ciência e Tecnologia a internet não funciona, imaginem no Brasil, né? (rs).

Divisão proposital? Acho que sim

E o ano legislativo começa em fevereiro já com a eleição do presidente da Câmara. Hoje, basicamente, são três candidatos em disputa pelo cargo: Rodrigo Maia (DEM-RJ), Rogério Rosso (PSD-DF) e Jovair Arantes (PTB-GO). Quem, de fato, está em campanha é o Maia e o Jovair. Eu sou amiga de todos, aliás, me dou bem com todo mundo na Câmara, porque não sou de bate-boca e nem de intriga, mas muito me estranha o comportamento do Rosso, que não tem feito campanha junto aos deputados. Venho avaliando o cenário e não faz sentido a candidatura do deputado do PSD, até porque o Centrão havia decidido ter candidato único para fazer frente ao Maia. E do nada há essa divisão, tornando-se candidatos Jovair e Rosso. Estranho porque num momento em que precisa de união surge essa divisão. Como não tenho visto o Rosso articulando junto aos demais deputados, suspeito que a divisão foi proposital. Acho que a intenção é ter o Jovair como candidato, com o Rosso surgindo para desviar a atenção e atraindo apoiadores que tenham restrição ao Centrão, como PT e PCdoB, entre outros. E, obviamente, com um pacto de união no eventual segundo turno. Enfim, muita gente perguntando quem vamos apoiar, mas, como já disse, gosto muito dos dois, tenho carinho enorme pelo Jovair e pelo Rosso. O caminho a ser adotado nessa votação será definido pela nossa bancada, que se reunirá no final do mês.

rosso e jovair

Rogério Rosso e Jovair Arantes são candidatos à presidência da Câmara

A 200 km por hora!

correriaTerminado o pequeno período de férias, já entrei de cabeça no trabalho. Milhares de pedidos de agenda e, por onde passo, ouço ‘você me abandonou’, inclusive da minha mãe e do meu pai, não pensem que é só a base e o eleitor, não. Se ainda estivesse trancada em casa, no bem bom, tudo ok ouvir isso, mas quando o retorno se dá já num ritmo de 200 km/h…  Não estou dando conta de tantos compromissos (rs). Fora isso, estamos aproveitando este início de ano para tocar as reuniões de planejamento e reposicionamento partidário. Tem muita coisa pra fazer, desde a chapa para 2018 e as ações de democracia direta. Como vocês sabem, o nosso partido passa a ter essa bandeira, conjuntamente com transparência e participação popular, ou seja, o povo vai decidir com a gente as principais questões em votação no Congresso, porque juntos podemos construir um novo Brasil.

Pausa para curtir a família

pausa

Oi, queridos, passando por aqui para dizer que o blog não está parado, não. É apenas uma pausa breve, para recuperar o fôlego depois um ano bem agitado, não é mesmo, e que só terminou com as solenidades de posse dos prefeitos e vereadores. Como presidente nacional do PTN, estive presente nesses eventos, principalmente naqueles dos quais o nosso partido obteve vitórias importantes, como em Osasco e Itapevi, com a posse de nossos prefeitos, respectivamente, Rogério Lins e Igor Soares, e em São Paulo, onde o Legislativo atual passa a contar com o nosso Dr. Milton Ferreira. Agora, estou na Paraíba, descansando por 10 dias e curtindo minha família, principalmente meus filhos, que sentiram muito a minha ausência nesse ano que passou. No retorno a São Paulo, e antes do fim do recesso parlamentar, mangas arregaçadas para debruçar em cima da pauta prevista para o primeiro semestre no Congresso, quando teremos importantes votações, tais como as reformas Trabalhista e da Previdência. Vou aproveitar esse tempo para ouvir especialistas sobre os assuntos e falar com a população. Se vocês tiverem alguma dúvida a respeito desses dois temas ou opiniões já formadas, gostaria muito da colaboração de todos. Meu posicionamento se dará através dessa colheita de informações, como sempre fiz. Como vocês sabem, o PTN está à frente do Movimento Podemos, baseado em mais participação popular, mais transparência e mais ações de democracia direta, entendendo que juntos podemos construir o Brasil que queremos.